Combate ao abuso sexual de crianças reúne entidades em Santana do Ipanema Em 2016 foram denunciados 49 casos de abuso ou exploração sexual contra crianças e adolescentes na cidade


Ascom Isnaldo Bulhões

Combate ao abuso sexual de crianças reúne entidades em Santana do Ipanema

 Em 2016 foram denunciados 49 casos de abuso ou exploração sexual contra crianças e adolescentes na cidade

Com os altos índices de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes registrados em Santana do Ipanema, o juiz titular da 1ª Vara da cidade, Kleber Borba Rocha, realizou uma reunião pública com instituições que atuam na área, na tarde de segunda-feira (22), no Salão do Tribunal do Júri da Comarca.

A iniciativa foi da Secretaria Municipal do Trabalho, Assistência Social e Defesa Civil e teve a parceria do Juizado da Infância e da Adolescência, Ministério Público, juntamente com os órgãos vinculados Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), Centro de Referência da Assistência Social (CRAS) e o Conselho Tutelar.

O evento aconteceu em alusão ao Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, instituído para a data de 18 de maio, e debateu a legislação brasileira, a prevenção e o enfrentamento desses casos. De acordo com dados da Secretaria de Assistência Social de Santana do Ipanema, em 2016 foram denunciados 49 casos de abuso ou exploração sexual contra crianças e adolescentes na cidade. Até maio deste ano, já foram registrados 17 novas denúncias.

“Nós temos desenvolvido um trabalho nas escolas e comunidades, orientando sobre a importância de se prevenir, porque constatamos em nosso Município esse ano já um número muito grande de abusos”, informou Vera de Araújo, secretária de Assistência Social da cidade.

Para o juiz responsável pelo evento é importante que os órgãos atuem no combate e prevenção de novos casos. “O objetivo primordial do evento é conscientizar a população, buscar a integração e comunicação entre os órgãos e instituições que formam a rede de proteção da criança e do adolescente”, frisou Kleber Borba.

A pedagoga do Centro de Referência Especializada de Assistência Social (Creas), Marta Lemos, explicou que a maioria dos casos de agressões registrados em Santana do Ipanema são praticados por integrantes da família ou pessoas próximas à criança, e o medo de denunciar o agressor é uma das principais problemáticas desse tipo de crime.

“Nas palestras que realizamos nas escolas, nos postos de saúde, nós percebemos que há um medo da sociedade de fazer a denúncia. São professores que nos procuram para conversar sobre casos que eles percebem nas escolas, agentes comunitários de saúde, mas por estarem muito próximos da criança e da família, têm medo de denunciar”, destacou a pedagoga.

Para Marta Lemos, a melhor maneira de combater esses casos é falando sobre o tema com a sociedade. “A violência sexual infelizmente é questão cultural e quanto mais nós falarmos sobre o tema e mostrarmos à sociedade a gravidade disso, mais se abre um leque tanto para a denúncia quanto para a prevenção”, completou.

O conselheiro tutelar Cristiano reforça a importância de denunciar o agressor por meio de canais como o “disque 100” para prevenir a ocorrência de novos casos e assegurar a proteção das vítimas. “A partir do momento que se denuncia, você está fazendo com que não aumentem esses casos que, infelizmente, têm crescido muito nos últimos anos”.

Foto: Jean Souza
Texto: Graziela França – Dicom TJ/AL

Nenhum comentário até o momento

Deixe o seu comentário!


Siga-nos